O distrito de Socorro, na cidade mineira de Barão de Cocais se transformou em uma vila fantasma após cerca de 250 moradores serem retirados de suas casas no início de fevereiro pelo risco iminente de rompimento de outra barragem de rejeitos de uma mina da Vale.

A vila fica 500 metros abaixo da barragem Sul Superior da Mina de Gongo Soco, Aldo Sampaio Raggio afirma que o local foi construído usando a mesma técnica da barragem que colapsou e deixou centenas de mortos na também cidade mineira de Brumadinho, e está em nível de alerta máximo sob risco de romper a qualquer momento.

Pequenas chácaras e casas simples foram evacuadas por risco em barragem

Pequenas chácaras e casas simples foram evacuadas por risco em barragem

Márcio Neves/R7

A comunidade do Socorro seria um dos primeiros locais afetados pelos rejeitos de minério caso a barragem se rompa.

Todo o distrito foi interditado pela Defesa Civil a pedido da Vale e ninguém pode acessar a área sem autorização.

Nem mesmo os moradores, que lamentam ver seus pertences e imóveis abandonados podem acessar o local.

O pedreiro Paulo Matias, por exemplo, morava na vila havia 15 anos. Hoje ele mora em um imóvel alugado pela Vale e não pode entrar em sua casa para buscar eletrodoméstico ou roupas.

“Eu queria poder voltar lá para pegar algumas coisas, mas não deixam. É muito triste ser tirado da sua casa do nada assim’, diz Matias.

Quem tentou voltar ao local para buscar itens ou simplesmente ver se tudo estava no lugar, corre risco de ser preso.

Foi o que aconteceu com o aposentado Francisco Xavier, detido após ter ido até sua chácara que está na área isolada.

“Meu jardim, que eu e minha esposa cuidávamos com muito zelo, minha criação de peixes e a piscina que minhas netas adoravam estão lá abandonadas. Ainda por cima descobri que saquearam minha casa”, lamenta Xavier, que hoje vive com os filhos em uma casa no centro de Barão de Cocais.

Após ser levado para a delegacia, Xavier foi interrogado por ter ido verificar se sua propriedade estava segura, e desde então passou a cobrar da Vale mais segurança com os imóveis do distrito.

Atualmente, duas guaritas com vigias funcionam 24h nos dois pontos de acesso ao local. Quem passa pelo trecho entre esses dois pontos é vigiado e abordado caso pare no meio do caminho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *